sexta-feira, 14 de março de 2014

A filha da mãe


Em noventa por cento do tempo que passo aqui mostrando meus deveres de casa falo de coisas verdes, mas acredito que não só dessa cor são nossas tarefas e obrigações, por isso também tenho vontade de, às vezes, contar outras experiências.

Cresci ouvindo minha mãe dizer que a gente tem a obrigação de reclamar dos serviços que não nos atendem bem. Durante a adolescência me lembro de alguns momentos em que desejei que o chão se abrisse e eu sumisse dentro do buraco: era só minha mãe ameaçar chamar o gerente e eu tinha certeza de que pagaria mico - aliás, mico é expressão e sensação característica daquela longa fase dos 12 aos 20 anos, quando a gente acha que o certo e o bonito é ser e fazer tudo igual a todo o mundo, mesmo que estejam todos errados. 'Inda bem que um dia isso passa. Virei gente grande e, bem educadinha que fui, fiquei igual à mãe.

Na sexta-feria antes do Carnaval tive que ir ao banco e entrar na fila do caixa. Eram duas e meia da tarde da véspera do maior feriado deste país. Éramos 20 pessoas na fila e só duas moças operavam os caixas. Quando não tem solução a gente se conforma e espera, mas aquilo vai irritando, irritando, irritando…

Com a fila andando e eu chegando mais perto do balcão de atendimento comecei a perceber que, além de fazer os saques e pagamentos de contas dos clientes, as atendentes ofereciam e explicavam, a cada um que chegava na boca do caixa, como é o plano de previdência, o seguro de vida, o de carro, o de residência… Não bastasse a quantidade de gente na fila para apenas dois caixas abertos, e o banco se acha no direito de fazer a coisa demorar ainda mais oferecendo produtos e explicando procedimentos que ninguém pediu pra saber.

Se minha mãe estivesse na fila ela já estaria conversando com os da frente e os de trás e convencendo todo mundo a ir na gerente reclamar. Posso até ouvi-la dizendo "a gente tem que reclamar, porque senão eles pensam que tá todo mundo achando bom o serviço e continuam fazendo esse tipo de absurdo com o cliente. Quando só um reclama tem menos efeito do que quando todos reclamam".

Só que era eu ali, então não houve a mobilização dos enfileirados - isso é coisa de cliente profissional e eu ainda preciso me aperfeiçoar. Mas depois de ser atendida fui à gerente reclamar. Disse que não era uma reclamação contra as atendentes, particularmente, mas contra a política do banco que cobra intensivamente dos funcionários o cumprimento de metas de venda de produtos. Sei disso porque conheço gente que saiu do banco por não aguentar a pressão.

Para minha surpresa a gerente fez cara de "concordo plenamente com você" e logo foi pedindo a abertura de mais um caixa. Pena que eu tive que reclamar para isso acontecer. Depois disso fui embora e até hoje ainda não tive que voltar à fila, mas naquele dia saí do banco com a sensação boa de ter reclamado de um abuso, de ter exigido ser respeitada. Só assim as coisas por aqui um dia serão melhores. Porque todos nós sabemos como fica um país quando ninguém reclama e, sem se envolver, engole tudo do jeito que está.

12 comentários:

  1. Eu reclamo se não fizermos isto,vai piorar mais ainda.Temos que ficar atenta todo tempo.Quando vou ao mercado levo o folheto da oferta,senão esta na prateleira falo com o gerente.Minha filha quando vai ao mercado comigo,ela sai de perto.

    ResponderExcluir
  2. Que bom que você teve essa iniciativa! Já é um começo, já já você fica tão agil nisso quanto sua mãe1

    ResponderExcluir
  3. Então somos duas : fiz a mesma coisa,só que fiz pelo facebook por inbox:depois de aturar 30 pessoas numa fila e a caixa me perguntar pela enezima vez se eu queria colocar a conta do telefone em débito automático,não resisti (não pude fazer pessoalmente com o Gerente pq tinham 5 pessoas esperando para falar com ele)Fiz um pq texto,educado,elucidativo,relatei tudo e fui atendida...me telefonaram,dois dias seguidos e me agradeceram pelas críticas positivas...é por aí:temos que valer os nossos direitos...tbm sou como a sua mãe...srsrssrsrr

    ResponderExcluir
  4. Oi, Juliana! vim parar no seu blog por conta de ler o blog da Neide e gostei muito do seu também. O caso é que ganhei um pequeno arbusto que se transformou em uma árvore que está toda florida, mas a pessoa não sabe e muito menos eu sei o que é. Será que se eu mandar fotos das flores e folhas vc pode me ajudar?
    Obrigada.
    Izabel

    ResponderExcluir
  5. Blog encantador,gostei do que vi e li,e desde já lhe dou os parabéns,
    também agradeço por partilhar o seu saber, se achar que merece a pena visitar o Peregrino E Servo,também se achar que mereço e se o desejar faça parte dos meus amigos virtuais faça-o de maneira a que possa encontrar o seu blog,irei seguir também o seu blog.
    Deixo os meus cumprimentos, e muita paz.
    Sou António Batalha.

    ResponderExcluir
  6. Oi! Por anda anda a rolinha? Aprendeu a voar e bateu asas?

    ResponderExcluir
  7. Blog encantador,gostei do que vi e li,e desde já lhe dou os parabéns,
    também agradeço por partilhar o seu saber, se achar que merece a pena visitar o Peregrino E Servo,também se achar que mereço e se o desejar faça parte dos meus amigos virtuais faça-o de maneira a que possa encontrar o seu blog,irei seguir também o seu blog. parabéns e muito.Swing

    ResponderExcluir
  8. Ótima postagem, irei recomendar para nossa redação fazer uma matéria sobre seu site. Julia Alves Ferreira Suporte Restrição Interna ao cliente agencia web

    ResponderExcluir
  9. Parabéns pelo texto e conteudo do site, estou sempre online vendo as novidades, irei indicar para a redação do site para dar destaque para o seu site, muito bom parabéns.
    Fernanda https://swingcertificado.com.br

    ResponderExcluir

Muito obrigada por comentar.
E se você não tem um blog nem um endereço no gmail, para enviar seu comentário basta clicar na opção "anônimo", logo abaixo da caixa de texto. Mas, por favor, assine seu nome.