quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Paina para dar e vender

Uma encomenda de 200 quilos de sementes de paineira rosa (Chorisia speciosa) nos colocou para trabalhar a valer beneficiando frutos; há semanas não se faz outra coisa. Uma equipe de coletores percorreu cidades e estradas no entorno de Holambra e Campinas, e conforme lotava o carro de frutos vinha para cá descarregá-los. Chegamos a ter 2.000 deles de uma só vez, esparramados num terraço secando ao sol.

Das visitas que vez ou outra apareceram, ouvimos "Isso é coco? Abacate? Cacau?"
Nada disso, esse é o fruto da paineira. 
Mas é fácil entender o estranhamento, porque não é coisa comum de se ver por aí. Na vida natural, lá na árvore, os frutos nem chegam a cair inteiros porque a espécie inventou um jeito bem bonito de se propagar. Ainda penduradas lá no alto as cascas racham, os frutos se abrem e expõem a paina, um tipo de algodão bem leve que voa ao vento, cada tufinho carregando uma semente.
Mas tivemos de nos meter no meio desse ciclo, senão não existe plantio para reflorestamento, então...

Quando alguns frutos da paineira começam a se abrir naturalmente nos galhos, quer dizer que os outros já estão quase prontos, então coleta-se os ainda fechados com um gancho na ponta de uma vara. E sai de baixo que se cair na cabeça machuca. Cada um tem, em média, 300 gramas. Mais a aceleração da gravidade... 


Depois de alguns dias no sol chega a hora de pisar nos frutos, e aqueles que estão no ponto de abrir fazem um croc debaixo do pé. Cuidado nessa hora: o croc vicia e você não quer mais parar de pisar em frutos. É como estourar plástico-bolha. E não adianta querer apressar a coisa e pisar mais forte para forçar o croc; as sementes dos frutos que não amadureceram o suficiente são brancas e não germinam, enquanto que nos bem maduros elas são escuras, quase pretas.


Feito o croc, a casca se racha e o miolo está solto, com a paina ainda úmida e bem compactada. Parece um cérebro em forma de espiga de milho.


Esse é o ponto de abrir o miolo úmido e tirar as sementes...


...porque se deixar passar algumas horas a paina começa a secar, estufar e o que antes era compacto vai virando um imenso tufo que se desmancha. Quando isso acontece fica bem mais difícil tirar as sementes, que se embaraçam nas fibras brancas e leves, já querendo voar com elas.

Miolos ainda fechados, secando e estufando

A paina que sobra depois da retirada das sementes é um excelente enchimento para travesseiros, almofadas, bonecas de pano e o que mais você quiser fazer de fofo e gordinho. É a versão natural (e original) do plumante, fibra industrializada. Nos idos tempos em que as mulheres "só" cuidavam da casa, dos filhos, da comida e da costura da roupa de toda a família, eram recheados de paina os objetos fofos do lar.
Por ser nativa do Brasil, a paineira está presente na história de sítios e fazendas pelo país a fora, e além de abundante, cresce rápido e produz muitos frutos, então fornece paina para dar e vender. Pergunte para uma avó, tia ou conhecida de mais idade.

Durante a retirada das sementes fomos desmanchando os "gomos" dos frutos, que têm organização parecida com a de uma laranja: uma parte de fibra e uma divisória, uma fibra e uma divisória. Assim as divisórias já foram sendo descartadas e sobrou só a paina, limpinha, que depois de algumas horas de sol perdeu a umidade, soltou as fibras, cresceu e ficou pronta para virar recheio.

Paina limpa mas ainda úmida e compactada
Cabinhos dos frutos e películas divisórias dos "gomos"
Paina seca com as fibras soltas, bem fofas
Sementes prontas para o plantio

44 comentários:

  1. Que interessante!... O seu trabalho é mesmo fascinante: acompanhar todo o processo de produção de sementes e admirar cada fase, com suas surpresas. Quando você conta para nós, fico pensando: se mais pessoas estivessem trabalhando para a obtenção e plantio de sementes de tudo, ao invés de cortar árvores para fazer pasto ou plantação de soja, a visão da Terra dos satélites seria uma profusão de cores e beleza. Já imaginou? Beijo, Angela
    http://noticiasdacozinha.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Hoje mesmo eu estava admirando as paineiras do Aterro do Flamengo, agora restam poucos frutos, foi um mistério e uma delícia descobrir seu ciclo, os espinhos, os frutos e aquele lindo algodãozinho. Fui atrás pra pesquisar (já querendo inventar um enchimento de almofada) e descobri pouca coisa. Por acaso, hoje me deparo com esse post lindo. Gratidão.

    ResponderExcluir
  3. Angela,
    quem sabe ainda aprendemos com os erros e viramos o jogo?
    Cada um fazendo o seu dever de casa...

    Flávia,
    Gratidão digo eu, por comentário tão bonito. Faça sua almofada e me mande foto! Também estou aqui, cheia de paina, ensaiando meus recheios. E volte sempre!

    Beijo!
    Juliana.

    ResponderExcluir
  4. Minha mãe conta que meu primeiro colchão, nos idos de 1961, foi feito de paina. Antes mesmo de eu nascer meu pai ( que hoje mora pertinho de Holambra) recolheu várias cestas de paina e minha mãe costurou e fez um colchão pro meu bercinho. Guardo essa lembrança com muito carinho e sempre lembro do amor dos meus pais quando vejo uma paineira que nos dá essa coisa tão delicada e macia que é a paina. Parabéns pelo blog, gosto muito de ler o que você escreve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Silvia61,
      que bonitas as suas lembranças. Interessante como as árvores fazem parte da nossa história das maneiras mais variadas, não? Tomara que ainda seja tempo de dar às novas gerações o privilégio de formar lembranças importantes e construtivas assim.
      Sua visita é sempre muito especial, obrigada. Não nos conhecemos pessoalmente mas sei quem você é.
      Um abraço forte,
      Juliana.

      Excluir
  5. Olá Juliana, que maravilha encontrar este post na minha pesquisa sobre paineras e paina!
    E que incrível esta grande encomenda de 200 kilos de sementes, uau!
    Passeando para melhor conhecer seu blog, a grata surpresa do meu dia, também conheci sobre o Cambuci, causa e desafio que abraçou admiravelmente.
    Voltando às paineiras, saberia informar se é a mesma árvore que região amazonica chama de Sumaúma? E que no Nordeste os flocos são tb denominados como lã de barriguda? Nem no site da Embrapa consegui boa resposta, sequer a busca por 'Paineira' mostra resultados ali. Estranho não?
    Importante: saberia me indicar aonde, de preferencia em SP, posso encontrrar paina? Sei que estamos longe da safra, mas preciso urgentíssimo e'prá já' de uma pouca quantidade.
    obrigada e mais uma vez felicito-a pelo super útil conteúdo do blog e por seu trabalho.
    Teresa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Teresa,
      te escrevi um e-mail, você recebeu?
      Um abraço,
      Juliana.

      Excluir
  6. Juliana, gostaria de adquirir um pouco de paina, suficiente para um travesseiro, pois só consigo dormir com ele, não me acostumo com outro. Como podemos fazer? Agradeço se puder me ajudar, pago pela paina, claro. Moro em Guarulhos e em Serra Negra.
    Um abraço
    Roberta

    ResponderExcluir
  7. Olá Juliana,

    por favor você tem um contato ou site de onde posso adquirir a paina?
    Grato
    André Valladão

    ResponderExcluir
  8. Prezada Juliana,

    adorei seu post sobre a paina. Estou agora justamente imersa em um novo projeto em artes visuais no qual utilizarei paina. Queria comprar um pouco e que seja já tratada para não dar fungo,etc. Vc tem indicação de onde posso comprar? Obrigada pela sua atenção. Meu e-mail: nydianegromonte@uol.com.br
    Um abraço,

    Nydia Negromonte

    Nydia Negromonte

    ResponderExcluir
  9. Gostaria de saber onde posso arruma paina para um travesseiro meu email e donovan_rezende@hotmail.com

    ResponderExcluir
  10. Olá a todos,
    Sou O Teka Pecorari, 52 anos, e tenho um travesseiro de paina fazem pelo menos 50 anos, desde que eu era bebê, o mesmo travesseiro, apenas foi trocado o revestimento várias vezes.
    Não adianta, não consigo usar outro travesseiro.
    Adorei a dica, pois agora sei como fazer um novo.
    Sou membro de um Grupo fundado há 6 anos aqui em minha cidade www.mataomaisverde.com.br todos voluntários, onde plantamos todos os meses, 1 árvore para cada criança que nasceu no mês anterior, geralmente plantamos umas a mais, e sempre plantamos paineiras, as primeiras já estão dando frutos, então creio que conseguirei fazer um travesseiro novo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. meu e-mail tekaslp@hotmail.com Teka Pecorari

      Excluir
  11. Olá...você tem algum contato ou site, pois gostaria de saber se é possível adquirir uma quantidade de paina para um travesseiro. Meu marido tem um travesseiro de paina a mais de 40 anos e gostariamos de trocá-lo. Meu e-mail jessifernandes@ig.com.br. Obrigada

    ResponderExcluir
  12. Marly Miranda Bacha27 de maio de 2014 23:33

    Juliana,
    Gostei imensamente do post. A única falha que notei, é que faltaram respostas àqueles
    que desejam adquirir paina para os seus travesseiros.
    Me incluo junto a eles fazendo essa solicitação. Em minha cidade não estou conseguindo. Obrigada. Marly

    ResponderExcluir
  13. Que lindas fotos e lindas explicações sobre a paina. Estivemos ( minha mãe e eu, visitando minha filha ) em S.Jose dos Campos no final de semana e nos deparamos com varias "arvores de algodão" . Minha mãe lembrou do nome e achou que era paina.Eu não conhecia. E hoje, ela, velhinha muito curiosa e interessada, me pediu pra procurar no TUDO ( google ) informações sobre paina. E achamos esta sua reportagem com fotos, e explicações. MUITO OBRIGADA Juliana. Foi lindo.Beijos, Dona Josette e Rose.

    ResponderExcluir
  14. Juliana, conheci teu blog hoje, por acaso, e me apaixonei. Muito obrigada por esse presente. Nada é por acaso. Ainda vou te escrever muito. Um grande beijo e que Deus te dê sempre muita luz.

    ResponderExcluir
  15. Olá Juliana. Gostaria muito de confeccionar ou comprar um travesseiro de paina. Vc trabalha com esse material ou indicaria alguém?
    Um abraço
    Marize

    ResponderExcluir
  16. Boa Noite!

    Por favor, estou querendo adquirir paina para fazer um travesseiro, vocês poderiam me fornecer?

    Obrigado
    Aluisio Pinto da Silva - e-mail aluisio@ymail.com

    ResponderExcluir
  17. oi gostaria de paina, poderia entrar em contato comigo? obrigado! gabrielflorez@live.com

    ResponderExcluir
  18. Aqui em casa tem dois pés de painas lindo !!! hoje estava admirando as castanhas se abrindo outras caindo e ainda outras sementinhas voando lindo !!! Vou tentar postar as fotos que tirei . Abraço

    ResponderExcluir
  19. Morava próximo de uma paineira de onde consegui pegar alguns cachinhos caídos no chão e semi abertos. Tirei a paina e guardei. Esperava pegar mais para fazer enchimento pro travesseirinho de meu neto. Lamentavelmente me mudei e não encontro mais. Mantenho a paina guardada até encontrar novamente, nem que seja vendida pela internet. Meu neto completou 2 anos... nada do travesseiro. Se alguém souber onde vende, agradeço, desde já, a informação.

    ResponderExcluir
  20. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  21. Olá! Alguém conseguiu descobrir onde comprar a paina? Eu preciso muito. Não consigo usar outro travesseiro

    ResponderExcluir
  22. Olá! Alguém conseguiu descobrir onde comprar a paina? Eu preciso muito. Não consigo usar outro travesseiro

    ResponderExcluir
  23. Olá! Alguém conseguiu descobrir onde comprar a paina? Eu preciso muito. Não consigo usar outro travesseiro

    ResponderExcluir
  24. Consegui paina, com um amigo que pegou no chão em Brasília. Em BSB tem muita, muita paineira ele disse que na Asa sul, tinha pelo chão se passasse lá com tempo pegava. Foi o que fez. Para vender nunca soube onde encontrar e já procuro há anos,

    ResponderExcluir
  25. Nossa, que coisa boa!!! Por favor, indique onde se pode adquirir quantidade suficiente para confeccionar travesseiros para a família....é meu sonho poder dormir com um travesseiro desses ha muitos anos...
    gisele.1007@terra.com.br
    Obrigada,
    Gisele

    ResponderExcluir
  26. Nossa, que coisa boa!!! Por favor, indique onde se pode adquirir quantidade suficiente para confeccionar travesseiros para a família....é meu sonho poder dormir com um travesseiro desses ha muitos anos...
    gisele.1007@terra.com.br
    Obrigada,
    Gisele

    ResponderExcluir
  27. Também gostaria de comprar paina. Pode me indicar ?

    e-mail : mariagoretti01@brturbo.com.br

    ResponderExcluir
  28. Se alguém souber com quem comprar. Gostaria que passassem meu contato. Obrigada.
    selene7moon@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  29. Se alguém souber com quem comprar. Gostaria que passassem meu contato. Obrigada.
    selene7moon@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  30. Gente preciso muito descobrir onde comprar paina, por favor se alguem descobrir me avisem .. mnrocha@outlook.com

    ResponderExcluir
  31. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  32. Olá Juliana,
    vi que auxiliou algumas pessoas a encontrarem painas.
    Preciso reencher um travesseiro, poderia me indicar onde encontrar ?
    Grato
    Fernando

    ResponderExcluir
  33. Boa noite,
    Cobfecciono almofadas zafu, gostaria de adquirir a página para enchimento.
    cazevedo13@gmail.com

    Muito obrigado

    ResponderExcluir
  34. Boa noite,
    Cobfecciono almofadas zafu, gostaria de adquirir a página para enchimento.
    cazevedo13@gmail.com

    Muito obrigado

    ResponderExcluir
  35. Boa noite,
    Cobfecciono almofadas zafu, gostaria de adquirir a página para enchimento.
    cazevedo13@gmail.com

    Muito obrigado

    ResponderExcluir
  36. Congratulações ! Vocês mandariam via correio uma quantidade de paina suficiente para fazer 5 travesseiros ? Quanto custaria ? Obrigado.

    ResponderExcluir
  37. Bom dia.
    Gostaria de comprar paina urgente.
    E-mail: raaissa.nayara@gmail.com
    Obrigada, Raíssa.

    ResponderExcluir
  38. Onde posso comprar um pouco de paina ?

    ResponderExcluir
  39. Gostaria de comprar paina com urgência. Vcs vendem? Onde encontro?

    ResponderExcluir
  40. Assim como todos que escreveram, também não sei dormir sem travesseiro de paina. Também solicito indicação de onde encontrar. Meu e-mail é marciliafe@gamail agradeço muito.

    ResponderExcluir
  41. Assim como todos que escreveram, também não sei dormir sem travesseiro de paina. Também solicito indicação de onde encontrar. Meu e-mail é marciliafe@gamail agradeço muito.

    ResponderExcluir

Muito obrigada por comentar.
E se você não tem um blog nem um endereço no gmail, para enviar seu comentário basta clicar na opção "anônimo", logo abaixo da caixa de texto. Mas, por favor, assine seu nome.