sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Reciclar mais e mais

Hoje recebi e-mail de uma amiga pedindo ajuda para um problema: o prédio onde mora está procurando empresa coletora de lixo reciclável que recolha o material que os condôminos separam, mas está tendo dificuldade de encontrar instituição que se interesse em fazer a coleta.
O principal problema dessas empresas é para onde encaminhar o material recolhido.
Muito se divulga na mídia que ainda hoje é pequena a porcentagem de lixo reciclável separado pela população - cerca de 6% do volume total, apenas - mas este não é o único entrave para que o ciclo da reciclagem tome proporções maiores. As empresas que compram e usam material reciclável como matéria prima para fabricação de novos produtos ainda não compram volume que escoe tudo o que se destina a reciclagem. Resultado: de tempos em tempos as coletoras de material, que são quem faz a ponte entre os que separam e os que reciclam, ficam com seus depósitos lotados e param com a coleta.
Em maio deste ano publiquei post sobre a interrupção temporária de coleta de recicláveis na minha rua. Leia aqui. Maio foi um mês complicado, as usinas de reciclagem estavam lotadas e a prefeitura interrompeu a coleta em algumas regiões. No meu bairro o serviço foi normalizado no mês seguinte, mas é permanente o problema de maior oferta do que procura.
Então qual a solução, diminuir a disponibilidade de material reciclável?
Bem, por um lado isso é sempre um desafio a vencer: compramos muita coisa que acaba indo para o lixo. O consumo consciente passa também pela escolha de produtos integralmente aproveitáveis, que não carreguem embalagens em excesso, que não sejam comprados por impulso e depois desperdiçados e descartados, etc.
Mas quanto ao que é realmente inevitável comprar e descartar, a saída é continuar separando criteriosamente e encaminhar 100% para reciclagem. Estimule quem mora com você a levar essa questão a sério, tenha recipientes para diferentes tipos de lixo em casa e monitore o que é jogado neles, o que foi parar por engano no lixo comum, ensine as crianças, converse com os vizinhos, parentes, a pessoa que trabalha na sua casa, mensalista ou diarista, estimule que ela faça separação de reciclados na casa dela também, e assim por diante.
Não tenha preguiça! Para quem ainda não separa o lixo a tarefa pode parecer trabalhosa, mas quando o hábito é incorporado ao seu dia-a-dia passa a fazer parte do que você faz sem pensar, entra no modo automático, e aí você pode com orgulho dizer "eu estou fazendo a minha parte na questão do lixo". E assim, fazendo a sua parte e disponibilizando todo o seu lixo reciclável, você estará pressionando o lado de lá como quem diz "ei, vocês aí, estão esperando o quê?".
Fazer a sua parte é sim uma maneria de pressionar.
E então as coletoras e estabelecimentos que tem pontos de entrega voluntária de recicláveis abarrotados de material pressionarão as usinas, que pressionarão os municípios, que pressionarão os estados, que pressionarão...

3 comentários:

  1. Olá. Sou muito direta em relação a esse assunto. Creio que a melhor saída não é a reciclagem somente pois fatalmente haverá uma sobrecarga.
    A melhor saída é comprar menos! Comprar em feiras livres e não em supermercados. Evitar comprar produtos industrializados. Sempre que pudermos levar nossos vasilhames seja para comprar comida por quilo, como outro tipo de produto. Meio que fazer como nossas avós faziam...e exigir mudanças mandando e-mails para as empresas,lojas, supermercados, políticos, etc...
    Temos que fazer nossa parte senão...
    Abraço,
    Ana.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Ana, muito obrigada pela visita.
    Concordo com você em gênero, número e grau, o principal é diminuir o lixo em geral, descartável ou não, mas acredite: além dos que ainda tem preguiça e/ou não dão a devida importância à separação do lixo para reciclagem, já tem os que falam "separar pra que, não tão dando conta de aproveitar". É uma pena mas é verdade. Por isso o post reiterando a importância do continuar separando para reciclagem, uma hora vão dar conta de tudo. Não podemos parar de fazer a nossa parte.
    Um abraço e volte sempre!
    Juliana.

    ResponderExcluir
  3. Esse trecho me chamou muito a atenção:

    "Para quem ainda não separa o lixo a tarefa pode parecer trabalhosa, mas quando o hábito é incorporado ao seu dia-a-dia passa a fazer parte do que você faz sem pensar, entra no modo automático"

    Porque: me casei este ano. Eu e a patroa decidimos que, já que távamos começando nova vida, começaríamos com o pé direito, nos alimentando melhor.

    Nos tornamos ovo-lacto-buteco-vegetarianos. Não somos vegetarianos, mas não fazemos carne em casa.

    A princípio o desafio parecia grande. Nova alimentação implica em novas receitas e novos hábitos de consumo.

    Só que depois de pouco tempo, nem lembramos mais comé que era a outra vida. Cozinhar já é tão óbvio quanto antes. E, surpresa, é bem mais económico! (que nem quando larguei o carro e comecei a andar de bicicleta. O dinheiro da gasolina virou diversão. Nunca comprei tanto cd e dvd quanto naquela época)

    E te agradecemos, porque o maior sucesso culinário daqui de casa é a receita que vc passou posts atrás de legumes assados.

    Não tem fácil ou difícil. Tem é que meter a mão na massa e ver no que dá.

    Abraço

    ResponderExcluir

Muito obrigada por comentar.
E se você não tem um blog nem um endereço no gmail, para enviar seu comentário basta clicar na opção "anônimo", logo abaixo da caixa de texto. Mas, por favor, assine seu nome.