quarta-feira, 8 de junho de 2011

As deliciosas histórias da Missão Cambuci

Desde que conheci o cambuci, há pouco mais de um ano, comecei a tecer uma rede muito interessante de amigos. Alguns são pessoas preocupadas com ecologia e meio ambiente e outros nunca pararam por muito tempo pra pensar sobre isso mas tem toda boa vontade do mundo pra ajudar, sabendo ou não que se trata de algo importante.
Se antes já me empenhava em trocar mudas, sementes e experiências por aí, agora então faço questão de retribuir toda a ajuda que me deram na coleta de frutos dessa espécie ainda em risco de extinção, nem que tenha que revirar caçambas de lixo em busca de meus frutos podres jogados ali sem querer ou confinar pequenas árvores dentro de uma caixa de camisa e mandá-las por correio em viagem de 10 dias rumo a Porto Seguro.

Foram três meses de e-mails, conversas, pesquisas e bastante estrada atrás de qualquer quantidade de sementes que se pudesse conseguir. De algumas cidades voltei com um único fruto na mão. De outras, vieram quilos e quilos de cambuci em todos os estados de conservação que se possa imaginar, do mais saboroso e perfumado ao mais podre e fedido. E para fazer valer cada e-mail enviado e cada litro de gasolina gasto na empreitada, todos os frutos foram cuidadosamente despolpados e tiveram suas sementes selecionadas, processo trabalhoso que levou dias e dias até ser finalizado.
A boa notícia é que o número é grande: são 4.773 sementes viáveis sendo regadas diariamente e recebendo cuidados dignos de estrela. E vale lembrar que apenas cerca de 25% das sementes de um cambuci são viáveis, ou seja, tem possibilidade de germinar, então calcule o quanto de sementes conseguimos!
Por isso, para mostrar que quando cada um faz um pouquinho o resultado é incrível, a seguir conto as histórias de quem topou abraçar comigo essa causa.

Coletas secretas
No começo, quando éramos só eu e eu nessa aventura, passei algumas semanas monitorando os três únicos pés de cambuci adultos que conheço na cidade.
Um deles, na rua, tem a copa muito alta e nas primeiras visitas que fiz não encontrei nenhum fruto no chão. Era preciso continuar monitorando até que amadurecessem mais um pouco e começassem a cair. Só que, depois de duas semanas quando voltei ao pé, não sei via mais um único cambuci em lugar nenhum, no chão ou na copa. Algum coletor de sementes mais rápido do que eu deu cabo de tudo. Primeira decepção.
Outra árvore, pequena ainda e na rua também, tinha só dois frutos quando a visitei pela primeira vez, mas estavam ainda muito duros e não tive coragem de arrancá-los antes da hora. O cambuci, assim como o abacate, tem a casca verde mesmo quando está maduro, então só se sabe se está bom para colher apalpando a fruta. Nesse dia também fui embora de mãos abanando e, quando voltei lá, não encontrei mais nenhum. Segunda decepção.
Restava a terceira árvore, dentro de um parque municipal onde dizem que não se pode coletar nada. Já sabendo que é uma árvore das boas e que no ano passado produziu bastante, resolvi não correr riscos e a cada visita levar comigo alguém que me desse cobertura. As instruções para os acompanhantes eram:

1) Enquanto encho meu saquinho secreto (camuflado dentro de uma bolsa grande) fique de olho e me avise se vier alguém do parque.
2) Faça sempre cara de paisagem. Tem tudo a ver com o lugar.
3) Se alguém vier reclamar e dizer que não se pode pegar frutos, finja que não me conhece e eu me viro sozinha. Melhor só uma metida nisso.

Deu tudo certo e saímos incólumes (e abastecidas!) de todas as investidas, então ficam aqui meus sinceros agradecimentos às amigas que corajosamente me acompanharam em nome da preservação da espécie: Helô, Bia e Mari L.

Um ecólogo alto astral
Escalado pela minha mãe para ajudar na Missão Cambuci, o Vitor, ecólogo e professor mais sabido e divertido que eu conheço na área, aproveitou o dia de aulas que deu em um parque para coletar frutos num pé que conhecia. Logo chegou um e-mail: Ju, pode vir buscar, tem um tanto aqui pra você.
Passaram mais uns dias e recebi outro e-mail: Ju, tenho mais.
Mas antes de conseguir encontrá-lo veio mais uma mensagem, desta vez triste: Ju, minha tia velhinha viu aquele monte de frutos podres e, achando que era lixo, jogou tudo fora. Semana que vem tento mais uma coleta.
Sem comentários sobre a tia velhinha.
Sorte que dentro de mais alguns dias veio outro e-mail: Ju, mais. Estão ao lado da minha mesa em cima de um vaso com o seu nome. São de uma variedade pequena mas bastante doce. Estão meio podres, já, e os colegas de trabalho reclamando que está fedido, mas é história deles; eu não sinto nada. E já avisei que é proibido jogar fora! Se eu não estiver aqui quando você chegar, pode entrar e levar.

Vitor, muito muito obrigada. Conte comigo para o que precisar, e assim que as mudas estiverem grandinhas me diga quantas quer e te entrego sem pestanejar.

A dupla dinâmica
Sair do sítio da Mari e da Carmem sem a certeza de ter conhecido o significado da expressão “calor humano” é impossível. Na chegada já tem festa como se fôssemos amigas há anos, com beijo, abraço, sorriso, boas vindas da cachorrada, gato trançando nas pernas, cafezinho, biscoito, um monte de histórias divertidas e o almoço pronto esperando. Isso porque a ideia era coletar o que elas tem no quintal, mas parecia que quem estava fazendo o favor era eu.
Depois de duas visitas, muitas risadas e andanças pra conhecer o sítio, ganhei geléia de cambuci feita por elas e sementes já prontas para plantar, além dos frutos propriamente ditos. E mais folhas de flor de cera para fazer mudas, bulbos de dália, de clívia, mudinhas de suculenta, sementes de anis estrelado, de rambutan e um caroço de abacate. Só esses 10 itens porque recusei outros 23 que Mari ofereceu, tentando convencê-la de que agora quem precisa de um sítio sou eu!!!

Mari e Carmem, como agradecer tanto carinho?
Muito obrigada por tudo e são de vocês todas as mudas de cambuci que nascerem, me digam quantas querem.

Rosana, Henrique e os ouriços
De Mogi das Cruzes, no início de abril, chegou o e-mail da Rosana: Tenho um pé de cambuci a pleno vapor, separei um tantão de frutos para vc. A árvore frutifica de 3 a 4 vezes por ano. Entre em contato.
Era pra já! Em dois ou três dias combinamos tudo e, sorrindo de orelha a orelha, parti para Mogi das Cruzes, escala de uma viagem a São José dos Campos para ajudar a babar, quero dizer, cuidar do sobrinho recém nascido.
Fui recebida com pão de queijo quentinho e suco de cambuci feito na hora. Não é demais? Batemos um papinho de uma hora e segui viagem, já mais de nove da noite, levando na bagagem cambucis maduros e cheirosos (ô fruta de cheiro bom!), cambucis podres para extrair sementes e ainda polpa de cambuci congelada, pra fazer suco e mousse.
De presente levei mudinhas de árvores de três espécies, mas mesmo assim fiquei até meio sem graça com o tanto de coisas que ganhei, a quantidade de pães de queijo que comi e todo o suco de cambuci que bebi! Minha mãe tinha me dado mais educação...

Cheguei a São José dos campos para uma estada de quatro ou cinco dias e escolhi um canto da varanda onde deixar o saco de cambucis podres até o dia de ir embora. O cheiro de vinagre é forte, não dá pra ficar com aquilo por perto. Mas sem me esquecer da tia do Vitor, avisei a todos da casa que ali estavam minhas preciosas sementes, não era pra mexer no saco.
Passados os meus dias de tia babona de primeira viagem, me ajeitei para tomar a estrada de volta e, na hora de ir embora, cadê os cambucis?
Juro que por alguns minutos dei uma de maluca e andei em círculos olhando em volta e repetindo “cadê eles?, cadê eles?, cadê eles?”. Eram 4, 5, 6 quilos de frutos e tinham sumido! Logo caiu a ficha que alguém que foi ajudar na faxina da casa naquele dia não sabia do que se tratava e jogou tudo no lixo.
Não, lixo de novo não!
Corri para o interfone e o porteiro me disse: tá tudo aqui ainda, o lixeiro só passa mais tarde.
Num passe de mágica lá estava eu, protagonizando espetáculo na calçada do prédio, abrindo caçamba por caçamba, saco de lixo por saco de lixo atrás dos cambucis da Rosana.
O porteiro parou do meu lado e disse: já sei, você jogou seu celular no lixo! A moça do 72 também fez isso outro dia. Às “veiz” bate uma bobeira e a gente faz essas coisas, é normal.
Eu dei risada e resolvi explicar que não era o celular, era pior! Era um fruto em risco de extinção e eu tinha arrumado sementes pra plantar. E então ele me surpreendeu: Extinção? É sério? Ah, mas então nós vamos ter que achar isso!
Nesse momento Tomé virou meu herói. Tem amigo meu que não diria uma frase dessas.
E foi um tal de conhecer a intimidade dos apartamentos vizinhos até que... Maktub! Dentro do enésimo saco preto que abri estava a sacolinha do supermercado Maktub de Mogi das Cruzes, onde a Rosana faz compras. Maktub, em árabe, que dizer “estava escrito”. E estava mesmo. Aqueles cambucis eram meus e ninguém tascava!

Depois dessa experiência inesquecível ainda voltei mais uma vez a Mogi, recentemente, porque como tinha dito a Rosana, a árvore do sítio frutifica de 3 a 4 vezes por ano e ela tinha mais frutos pra mim. Dessa vez cheguei e a encontrei, junto com Henrique, em volta de uma banheira infantil de plástico, na calçada, tomando sol. Dentro da banheira dois ouriços, animais da savana africana. São criaturas acostumadas ao calor, e como os dias do fim de maio vinham sendo cada vez mais frios, era preciso esquentá-los um pouquinho.

Não, isto não é um cambuci! É o ouriço do Henrique, filho da Rosana

De novo ganhei lanchinho e, desta vez, suco multi frutas preparado pelo Henrique além de um tanto maior ainda de cambucis podres. Nunca vi alguém ficar tão feliz com um sacão de frutas estragadas!

Rosana, não tenho palavras para explicar para quem não te conhece o quanto você é delicada e simpática. Muito obrigada pela acolhida sempre tão carinhosa, pelos quilos de cambucis bons, “ruins”, pelas polpas congeladas, pães de queijo, bolo de cenoura...
E vamos plantar por aí mais dessa espécie pela qual nós duas temos tanto carinho. Me diga quantas mudas quer e elas são suas.

Depois de tudo isso veio a hora de despolpar os frutos. Eu e Flop, dono do Viveiro Oiti, em Holambra - SP, passamos horas e horas sentados em frente a uma peneira e uma torneira com a mão na massa, uma massaroca úmida e com forte cheiro de vinagre, separando a casca e a polpa das sementes.
A etapa seguinte foi passar as sementes pela peneira, lavando com um jato forte de água para tirar os restos de polpa, que continua a apodrecer sob a terra e pode por a perder todo o processo de germinação.

Então as sementes limpinhas foram postas para secar à sombra sobre folhas de jornal e depois selecionadas uma a uma, trabalho que consiste em separar as vazias das “gordinhas”, as chamadas sementes viáveis.

Depois disso as escolhidas foram colocadas em tubetes sob fina camada de terra, serão regadas diariamente e devem demorar cerca de 60 dias para mostrar as primeiras carinhas. Isso deve acontecer no final de julho.

Agora, só no ano que vem. O cambuci floresce entre novembro e dezembro e seus frutos amadurecem de março a maio, quando aliás acontece o Festival do Cambuci, em Paranapiacaba – SP, e a Rota do Cambuci, em um circuito de cidades do interior paulista. Nessas festas é possível provar quitutes preparados com essa fruta tão simpática quanto desconhecida – muitos paulistanos acham que Cambuci é apenas o nome de um bairro.

A Rota do Cambuci ainda não visitei, mas em Paranapiacaba este ano tomei suco, comi bolo de chocolate com cambuci (é d e l i c i o s o!), mousse, trufa recheada e ainda comprei umas garrafas de pinga da fruta para dar de presente. Ano que vem vou fazer tudo igual outra vez!

Abaixo, a plantação de que tenho tanto orgulho. Ainda não se vê nada, claro, mas dentro de cada tubete está uma das sementes dessa história. E tudo sendo cuidado com carinho pelas mãos profissionais do Flop, a quem, junto com a mamma, falta agradecer por todo o empenho e apoio nessa empreitada. Muito obrigada!

18 comentários:

  1. Me convida para comer cambuci? Eu nunca experimentei. E também quero um ouriço de Natal. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bioca, você está mais do que convidada para o suco de cambuci.
      Já o ouriço no Natal... ficarei devendo. É fofo mas você já tem bicho demais pra cuidar. Vou te poupar desse impulso insano!
      Beijo grande, jornalista preferida!
      Ju.

      Excluir
  2. Ju, o blog tá uma delícia de ler! E eu sei que agora vai ter cambuci por aí até a gente olhar pra árvore e saber qual é o nome dela de cara! E que fofo o ouriço do Henrique!

    ResponderExcluir
  3. Que bom! finalmente tivemos relatos da missão cambuci.

    Felicidades para todas as sementinhas, que virem mudas fortes e árvores com muitos frutos!
    Madrinha,anjo da guarda eles já tem!
    Bj, Neusa

    Parabéns Juliana! Bj Neusa

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo empenho e pelo belíssimo trabalho. Gostaria muito de ter uma muda para plantar no meu quintal ou em alguma praça. Não sei se existe alguma árvore na minha região, mas vou começar a procurar.
    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Priscila, onde você mora?
    Me escreva no juliana@deverdecasa.com e vamos logo matar essa sua vontade de ter um pé de cambuci!
    Um beijo,
    Juliana.

    ResponderExcluir
  6. Poxa, Juliana! Quanto empenho e que belo trabalho! Parabéns! beijos, N

    ResponderExcluir
  7. Juliana, obrigada por compartilhar conosco essa aventura!!! bjs Patricia

    ResponderExcluir
  8. Oi Juliana!
    descobri seu blog hj, pq tb sou uma obcecada por cambuci!!! faz 3 anos que descobri 3 pés perto de casa, todos com frutos que eu nunca tinha visto, parecendo uns balões de sao joão e com cheirinho de gabiroba! corri pro google e com a descrição das frutas descobri que eram cambucis...namorei diariamente as plantas até os frutos ficarem macios e com "cara de maduros" e fui experimentando ...os "meus" espécimes dão todos frutos beeeem ácidos, que não dá pra comer in natura...mas dão um suco delicioso...não sei se são plantas da mesma variedade, pq há uma diferença bem marcante de tamanho e formato dos frutos, mas todos são ácidos...não são altos e temum porte mais para arbusto.
    fiquei morrendo de vontade de experimentar um fruto doce!...ando perguntando pra todo mundo: vc sabe onde tem um pé de cambuci?
    os frutos desta temporada já foram (pelo que eu observei até agora, essas aqui só frutificam entre fevereiro e março), e se vc ainda estiver interessada nas sementes posso te mandar algumas no ano que vem!

    abç
    cleo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cleo,
      parece que existem mesmo algumas variedades. Eu, que na maior parte das vezes ganho frutos já passados só para extrair as sementes, ainda não pude notar as diferenças, mas já ouvi relatos como o seu.
      E claro que no ano que vem quero sementes dos seus cambucis! Venha participar da missão! Como nos falamos?
      Por favor, me escreva no juliana@deverdecasa.com e vamos combinar.
      Beijo grande,
      Juliana.

      Excluir
  9. Fiquei com vontade de ter um pé de Cambuci e de fazer cócegas no pezinho do ouriço. Amei seu blog, ao qual vim através do Come-se, que é minha leitura habitual. Parabéns. Abç
    Izabel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Izabel,
      obrigada pela visita e seja sempre muito benvinda.
      O pé de cambuci é fácil, o ouriço, um pouco mais difícil. Mas concordo com você que o pezinho dele é mesmo muito fofo!
      Se tiver um bom lugar para plantar uma muda de cambuci e realmente estiver disposta a cuidar dele, me escreva no juliana@deverdecasa.com
      Um beijo!

      Excluir
  10. Helo, Neusa, Neide e Patrícia,
    obrigada, beijos e voltem sempre!
    Juliana.

    ResponderExcluir
  11. no sitio de meus cunhados,no bairro Ribeirao Branco,Paraibuna SP., depois de uma bela travessia de balsa chega-se ao sitio de meus cunhados,onde tem 3 treis arvores nativas e produtivas. sua polpa,congelada se tem o delicioso suco de cambuci o ano todo.

    ResponderExcluir
  12. Quero adquirir as mudas de cambuci em tubete para fazer "BONSAI".
    Favor me informar preço unitário, unidade mínima para pedido, frete (CEP: 05516-000) e forma de pagamento.
    e-mail yoneooda0862@yahoo.com.br ou kotsubantyousei.butanta@gmail.com |

    ResponderExcluir
  13. Em janeiro começei a plantar as sementes de cambuci que existem aqui perto de casa, como não sei muito sobre a viabilidade delas fui plantado todas que havia mas tomei o cuidado de tirar toda e qualquer polpa que existia nelas, tinha até algumas de um fruto que estavam mais inchadas, plantei também na sementeira!

    Ontem vi pela 1° vez uma plantinha emergir, cerca de 1cm, acredito que é um cambuci pois é diferente de qualquer matinho que já vi antes, agora espero que pelo menos mais algumas emerjam!

    Para quem achava que seria 0 mudas foi um alegria!

    ResponderExcluir
  14. Onde posso conseguir sementes ou mudas de cambuci em SJCamps?

    ResponderExcluir
  15. Onde posso conseguir sementes ou mudas de cambuci em SJCamps?

    ResponderExcluir

Muito obrigada por comentar.
E se você não tem um blog nem um endereço no gmail, para enviar seu comentário basta clicar na opção "anônimo", logo abaixo da caixa de texto. Mas, por favor, assine seu nome.